Veneco

  • Suscríbete

  • Lo más reciente

  • AddThis

    Bookmark and Share
  • Calendario

    diciembre 2007
    L M X J V S D
    « Nov   Ene »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Archivo

Estadão: Chávez tardó 7 horas para reconocer derrota

Posted by Ricardo en 4 diciembre 2007 10:34

O CNE já sabia desde as 18 horas de domingo que o ‘não’ tinha vencido

Lourival Sant’Anna

CaracasDesde as 18 horas de domingo, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) sabia que a oposição havia vencido o referendo sobre a reforma constitucional. Controlado por chavistas, o órgão, que havia prometido divulgar o primeiro boletim por volta de 19 horas, deixou o país em suspense até a 1h15 (3h15 em Brasília) da madrugada de ontem, quando finalmente anunciou a vitória do “não”. Imediatamente depois, em cadeia nacional de televisão, o presidente Hugo Chávez reconheceu a primeira derrota desde a sua primeira eleição, em 1998.

“Tentaram atrasar a divulgação, na esperança de que os números mudassem”, disse ao Estado o observador internacional português José Albino Silva Peneda, deputado do Parlamento Europeu. “Há quem diga que estavam convencendo Chávez a aceitar a derrota”, continuou Peneda, que chefiou a missão de observadores internacionais na tumultuada eleição parlamentar de 2005. “Mas a pressão para divulgar o resultado estava muito forte. Os partidos de oposição tinham os números.”

A demora do CNE em divulgar o boletim causou enorme tensão. Nas portas do CNE, dirigentes oposicionistas exigiam uma satisfação. “Bravo povo da Venezuela, não durma”, exortou Antonio Ledezma, do Comando Nacional de Resistência, que liderou a campanha contra a reforma. “A madrugada é perigosa.”

O gráfico da contagem, obtido pelo Estado, mostra que em nenhum momento o “sim” ficou acima do “não”, ao contrário das pesquisas de boca-de-urna realizadas pelos três principais institutos do país, que previam a aprovação da reforma por uma margem de 6 a 8 pontos porcentuais. E ao contrário, também, do que deu a entender o vice-presidente Jorge Rodríguez, que comandou a campanha em favor da reforma e afirmou, no fim da noite, que “a disputa estava apertada”, sugerindo que o “sim” e o “não” oscilavam de posição na contagem. Não oscilavam.

No início da contagem, o “não” vencia por margem expressiva, de mais de 8 pontos porcentuais. No horário em que o CNE tinha se comprometido a divulgar o primeiro boletim, essa margem tinha caído para 4 pontos, mas seguia consistente (ver gráfico).

Ao reconhecer a derrota, Chávez deixou claro que tinha acompanhado passo a passo a contagem do CNE, dirigido por cinco “reitores”, dos quais quatro são vinculados ao governo.

“A situação veio se complicando, por distintas razões, durante a tarde, com diferenças microscópicas, mas sempre com o ‘não’ por cima”, reconheceu o presidente, num pronunciamento excepcionalmente sóbrio, no Palácio Miraflores, à 1h30 (3h30 em Brasília) de ontem. “O dilema em que me debatia, se não era irreversível, vamos submeter o país, a Venezuela não merece uma tensão como essa”, balbuciou Chávez sem fazer sentido, aparentemente ainda um pouco perturbado.

Recuperando o seu estilo ferino, o presidente encontrou ânimo para esnobar: “Essa vitória ‘pírrica’ (de alto preço) eu não teria querido.” E para fazer uma recomendação à oposição: “Saibam administrar essa vitória.”

Na platéia encontravam-se seus principais ministros e assessores, vários deles com os olhos vermelhos. Também estavam a senadora colombiana Piedad Córdoba, devidamente vestida de vermelho, a cor oficial dos chavistas, e a mãe e a irmã da ex-candidata a presidente da Colômbia Ingrid Betancourt, refém do grupo guerrilheiro Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). “Sigo às ordens”, disse ele às três mulheres, referindo-se a seu papel de mediador, do qual foi excluído pelo presidente colombiano, Álvaro Uribe.

Sorry, the comment form is closed at this time.

 
A %d blogueros les gusta esto: